POESIA

Jorge Medauar

O gato*

 

Mais que acesa, a vigilância
Dos olhos se abre na noite.
Há sofrer de um medo errático
Nesse andar pelos telhados.

 

Contra quem, punhal gritado,
Fere o silêncio noturno ?
Vejo-te todo eriçado
Em frente aos dentes de um cão.

 

Agora a manhã dealba
Por sobre roxas vigílias
Sangrando o pardo de claro.

 

Reina paz no amanhecer.
Vede-o, negro, em muro branco,
Levando a noite no pelo.

 

*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br

 

Jorge Medauar (1918-2003), poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
21.09.18 18h00 » Bruna Mitrano
19.09.18 18h00 » John Ashbery
17.09.18 17h00 » Marcos Quinan
14.09.18 18h00 » Marcelo Sandmann
12.09.18 17h00 » Natalia Barros
10.09.18 17h00 » Mauro Salles
07.09.18 18h00 » Max Jacob
05.09.18 18h00 » Eduardo Lacerda
03.09.18 17h23 » Lívia Bertges
31.08.18 17h00 » Jennifer Franklin
29.08.18 17h27 » Sergio Cohn
27.08.18 17h00 » Jorge Medauar
24.08.18 17h48 » Edimilson Almeida
22.08.18 18h00 » Maria Lúcia Dal Farra
20.08.18 18h00 » Tiago Malta
17.08.18 18h00 » Juliana Bernardo
15.08.18 18h00 » Andrei Dosa
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha
08.08.18 18h00 » Alberto da Cunha Melo

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet