POESIA

Javier Ávila

Vidros

 

Tornou-se cacos a garrafa.
Voam derramados
deslocados como estrelas fugazes,
trapezistas amorfos em piruetas em seu ref´gio
nas pregas do tapete.

Quatorze vidros ocultos,
aguardam pacientemente
esse instante descalço
e preciso para enlaçar a desnudez,
fazer estragos na planta
com sua afiada geometria,
fundir águas forneadas com rios férreos,
encapsular-se na pele.

Dilaceram e perduram alojados
muito depois de sua partida.
E ficam outros opalinos,
serenos, sinuosos, invisíveis,
ansiosos para assediar as veias,
insuspeitamente
para injetar suas histórias
duras, frágeis e rotas.

Salpicadas praias plúmbeas que são prismas,
lupas, janelas, espelhos,
e permanecem 
pois agora têm coração e válvulas,
consciência e medo.
Conhecem truques, percebem o melhor,
o falso e o perfeito.
Sua fé tardia mas presente entende a marcha,
o luto, a oração, a luz, e isto:
que dói mais sua ausência
que sua agulhada.  

 

*Poema reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br, com tradução de Antônio Miranda

 

Javier Ávila, poeta de Porto Rico


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.11.18 11h00 » Elias José
16.11.18 19h00 » Lou Viana
14.11.18 18h00 » André Ladeia
12.11.18 16h00 » Karin Boye
09.11.18 19h00 » Marcelino dos Santos
07.11.18 18h00 » Albert Ehrenstein
05.11.18 16h00 » Halina Poswiatowska
02.11.18 18h00 » Cintio Vitier
31.10.18 17h44 » Adri Aleixo
29.10.18 17h00 » Francis Ponge
26.10.18 19h00 » Fernando José Karl
24.10.18 18h00 » Nicodemos Sena
22.10.18 17h00 » Charles Simic
19.10.18 18h46 » Mario Angel Quintero
17.10.18 18h00 » Geruza Zelnys
15.10.18 17h00 » Filipa Leal
12.10.18 18h39 » Javier Ávila
10.10.18 17h00 » Nelly Sachs
08.10.18 17h00 » Rosana Chrispim
05.10.18 17h00 » António Ramos Rosa

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet