POESIA

Filipa Leal

A recusa do amor*

 

Não temos uma arma apontada à cabeça,
dizias-me. Mas era impossível que não visses,
impossível. Eu ao teu lado com aquela dor
no pescoço, imóvel, cuidadosa, o cano frio
na minha testa, a vida a estoirar-me
a qualquer momento. Era impossível que não visses
o revólver que levava sempre comigo. Por isso dormia
virada para o outro lado, não era por me dar mais jeito
aquele lado, era por me dar mais jeito
não morrer quando nos víamos, 
era para dormir contigo só mais esta vez,
sempre só mais esta vez, 
sempre com o meu amor a virar-se de costas, 
sempre com o teu amor apontado à cabeça. 


*Reproduzido de http://opoemainsone.blogspot.com

 

Filipa Leal, poeta de Portugal

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
12.12.18 17h00 » Carlos Correia Santos
10.12.18 14h00 » Juana de Ibarbourou
07.12.18 19h30 » Nydia Bonetti
05.12.18 18h00 » Oskar Pastior
03.12.18 11h00 » Marô Barbieri
30.11.18 18h00 » Lia Macruz
28.11.18 17h00 » Pedro Tiago
26.11.18 13h00 » Marize Castro
23.11.18 19h00 » Ramon Nunes Mello
21.11.18 18h00 » Thiago E.
19.11.18 11h00 » Elias José
16.11.18 19h00 » Lou Viana
14.11.18 18h00 » André Ladeia
12.11.18 16h00 » Karin Boye
09.11.18 19h00 » Marcelino dos Santos
07.11.18 18h00 » Albert Ehrenstein
05.11.18 16h00 » Halina Poswiatowska
02.11.18 18h00 » Cintio Vitier
31.10.18 17h44 » Adri Aleixo
29.10.18 17h00 » Francis Ponge

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet