POESIA

Albert Ehrenstein

O Poeta e a Guerra*

 

Eu cantei os cânticos da vingança em vermelho rasgada,
E cantei o silêncio do lago de baías arborizadas;
Mas ninguém se juntou a mim,
Íngreme, solitário
Como a cigarra se canta,
Cantei o meu canto para mim.
Os meus passos vão-se desvanecendo, extenuados
Na areia do meu esforço.
Os olhos caem-me de fadiga,
Estou cansado dos desconsolados vaus,
De atravessar rios, mulheres e ruas.
À beira do abismo, não penso
No escudo e na lança.
Assoprado pelas bétulas,
Ensombrado pelo vento,
Adormeço ao som da harpa
De outros,
Para quem ela escorre alegremente.
Não me mexo,
Porque todos os pensamentos e acções
Turvam a pureza do mundo.


*Reproduzido de https://www.estudioraposa.com , tradução de João Barrento

Albert Ehrenstein (1886-1950), poeta nascido na Áustria, que viveu na Alemanha


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.11.18 11h00 » Elias José
16.11.18 19h00 » Lou Viana
14.11.18 18h00 » André Ladeia
12.11.18 16h00 » Karin Boye
09.11.18 19h00 » Marcelino dos Santos
07.11.18 18h00 » Albert Ehrenstein
05.11.18 16h00 » Halina Poswiatowska
02.11.18 18h00 » Cintio Vitier
31.10.18 17h44 » Adri Aleixo
29.10.18 17h00 » Francis Ponge
26.10.18 19h00 » Fernando José Karl
24.10.18 18h00 » Nicodemos Sena
22.10.18 17h00 » Charles Simic
19.10.18 18h46 » Mario Angel Quintero
17.10.18 18h00 » Geruza Zelnys
15.10.18 17h00 » Filipa Leal
12.10.18 18h39 » Javier Ávila
10.10.18 17h00 » Nelly Sachs
08.10.18 17h00 » Rosana Chrispim
05.10.18 17h00 » António Ramos Rosa

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet