POESIA

Juana de Ibarbourou

A hora*

Toma-me agora que ainda é cedo
e levo dálias novas pela mão...

Toma-me agora que ainda está sombria
a minha cabeleira ondulante e vadia.

Agora que ainda tenho uma carne olorosa,
os olhos de cristal e a pele de uma rosa.

Agora que me calça o meu pé de roseira
a sandália vivaz da primavera.

Agora que em meu lábio o riso soa
como um sino que bate e cuja nota voa.

Depois... Ah! eu, sei
que nada mais do que hoje tenho então terei!

Hoje, mais tarde não. Vem antes que anoiteça
e que murche com o tempo esta corola fresca.

Hoje, e não amanhã. Amor, não percebeste
que a parasita azul acabará cipreste?

 

*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br, do livro "Joias da Poesia Hispano Americana" (Eitora Bertrand)

 

Juana de Ibarbourou (1892-1979), poeta do Uruguai


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.01.19 20h00 » H. C. Artmann
16.01.19 18h00 » Marina Rabelo
14.01.19 16h00 » Ana Blandiana
11.01.19 18h00 » Gil T. Sousa
09.01.19 18h00 » Drago Stambuk
07.01.19 17h00 » Edson Falcão
05.01.19 00h12 » Gianni Rodari
03.01.19 17h20 » Miguel Hernández
31.12.18 12h00 » Guerra Junqueiro
28.12.18 19h00 » Yonaré Flávio
21.12.18 19h00 » Marília Garcia
19.12.18 20h00 » Ronaldo Monte
17.12.18 11h00 » Arturo Corcuera
14.12.18 19h00 » Marcílio Godói
12.12.18 17h00 » Carlos Correia Santos
10.12.18 14h00 » Juana de Ibarbourou
07.12.18 19h30 » Nydia Bonetti
05.12.18 18h00 » Oskar Pastior
03.12.18 11h00 » Marô Barbieri
30.11.18 18h00 » Lia Macruz

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet