POESIA

Carlos Correia Santos

Nu de vida

Veste meu nu um destino,
têcito de fios ilusão.

É porque desde menino
tenho no frio da pele emoção.
Já morri de sabiás,
sem pena, nu de colibri,
despido de não ser ave, mas
suave demais, trajando sofri.

Tanto pelo exposto,
posto pelo não ser.
Sem um pano pra cobrir o gosto,
nu de chover.

Pois peguei o destino pra veste
e me guardei em têxtil colorida.
Existir: um traje cor celeste.
Mas eu? Sempre nu de vida.

 

Reproduzido de http://www.candido.bpp.pr.gov.br

 

Carlos Correia Santos, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.01.19 20h00 » H. C. Artmann
16.01.19 18h00 » Marina Rabelo
14.01.19 16h00 » Ana Blandiana
11.01.19 18h00 » Gil T. Sousa
09.01.19 18h00 » Drago Stambuk
07.01.19 17h00 » Edson Falcão
05.01.19 00h12 » Gianni Rodari
03.01.19 17h20 » Miguel Hernández
31.12.18 12h00 » Guerra Junqueiro
28.12.18 19h00 » Yonaré Flávio
21.12.18 19h00 » Marília Garcia
19.12.18 20h00 » Ronaldo Monte
17.12.18 11h00 » Arturo Corcuera
14.12.18 19h00 » Marcílio Godói
12.12.18 17h00 » Carlos Correia Santos
10.12.18 14h00 » Juana de Ibarbourou
07.12.18 19h30 » Nydia Bonetti
05.12.18 18h00 » Oskar Pastior
03.12.18 11h00 » Marô Barbieri
30.11.18 18h00 » Lia Macruz

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet