POESIA

Ivo Andric

1914*

 

Na semiescuridão e no silêncio
Falta de sono à noite, falta de paz de dia.
Minha alma se esquecia ligeiramente
Numa coroa de feridas.
Mas nessa manhã, com os primeiros raios de sol
a memória guinchou com uma voz horrível:
Eles me trouxeram um jarro d´água
E pela primeira vez, em horror,
Eu percebi na água escura
Minha imagem, afundada, pálida e má.

 

*Reproduzido de https://www.gazetadopovo.com.br, com tradução do inglês de José Carlos Fernandes

 

Ivo Andric (1892-1975), poeta da Bósnia

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
20.05.19 12h00 » Vivita Cartier
17.05.19 21h00 » José Brandão
15.05.19 18h00 » Olga Bergolts
13.05.19 10h00 » Reinaldo Arenas
10.05.19 20h30 » Iderval Miranda
08.05.19 19h00 » Marcelina Oliveira
06.05.19 11h00 » Paula Glenadel
03.05.19 21h00 » Ernst Jandl
01.05.19 16h00 » Joni Mitchell
29.04.19 12h00 » Affonso Manta
26.04.19 21h00 » Astrid Cabral
24.04.19 19h00 » Marcelo Ariel
22.04.19 00h10 » Adailton Medeiros
19.04.19 19h30 » Edival Lourenço
17.04.19 18h30 » Júlia Lopes de Almeida
15.04.19 13h00 » Darcy França Denófrio
12.04.19 20h30 » Alessio Brandolini
10.04.19 14h00 » Lucas Lemos
08.04.19 01h50 » Nuno Gonçalves
05.04.19 20h00 » Flora Figueiredo

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet