POESIA

Ramon Carlos

hiato*

um charme
em quarto de vidro
espuma verde
que circunda os jeans
do xará dos diabos, no joelho
incapaz variedade de prever
o xamã no ponto clínico
sirene na colmeia dos abutres
louvo-te hiato
louvo pela capacidade que me tens
de purificar minha demência
de persuadir minha clemência
de extorquir meu saldo de observações
louvo pela simples castidade que propõe
impõe, em baldes de mármore
suave como o título lhe traduz
o silêncio que exterioriza meu sorriso em carne viva
sensato, sensato, sem tato
clamo a ti
a impureza
de um novo impacto
intacto

 

*Poema enviado pelo autor, o cara de estrabismo.net

 

Ramon Carlos, poeta brasileiro

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
17.07.19 19h00 » Jota Cavalcanti
15.07.19 09h00 » Kalaf Epalanga
12.07.19 21h00 » Rosa Alice Branco
10.07.19 17h30 » Salette Tavares
08.07.19 12h00 » Nizar Qabbani
05.07.19 21h00 » Joumana Haddad
03.07.19 18h15 » Joe Pereira
01.07.19 12h00 » Michael Hartnett
28.06.19 21h00 » W. S. Merwin
26.06.19 20h30 » Antonio Brasileiro
24.06.19 12h00 » Tin Ujevic
21.06.19 18h30 » Tássio Ribeiro
19.06.19 17h00 » Sebastião da Gama
17.06.19 12h00 » Bento Nascimento
14.06.19 21h30 » Eeva-Liisa Manner
12.06.19 20h00 » Bete Nascimento
10.06.19 12h00 » Nathan Zach
07.06.19 22h00 » Marianne Moore
05.06.19 21h30 » Nélson de Souza
03.06.19 12h00 » Alcides Villaça

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet