POESIA

António Vilhena

Beleza*

 

Não sabia que existias…Só se ama o que se conhece!
Quem espera traz uma esperança antiga,
uma praça em festa de solidão oculta.
Às vezes, é preciso que as velas ardam até ao fim.
Depois, vem a madrugada e o chocalhar dos rebanhos,
os trilhos, o incenso, a voz e o horizonte iniciático.
A beleza nos sentidos é um rio de fogo,
atravessa-nos como a paixão imperativa,
véu intemporal de um amor para sempre. 

 

*Reproduzido do site http://www.elfikurten.com.br

António Vilhena, poeta de Portugal


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.06.19 17h00 » Sebastião da Gama
17.06.19 12h00 » Bento Nascimento
14.06.19 21h30 » Eeva-Liisa Manner
12.06.19 20h00 » Bete Nascimento
10.06.19 12h00 » Nathan Zach
07.06.19 22h00 » Marianne Moore
05.06.19 21h30 » Nélson de Souza
03.06.19 12h00 » Alcides Villaça
31.05.19 21h00 » Chantal Castelli
29.05.19 20h00 » Roberto Prado
27.05.19 12h00 » André Ricardo Aguiar
24.05.19 22h00 » Yasmin Nigri
22.05.19 21h00 » Bernadete Crecêncio Laurindo
20.05.19 12h00 » Vivita Cartier
17.05.19 21h00 » José Brandão
15.05.19 18h00 » Olga Bergolts
13.05.19 10h00 » Reinaldo Arenas
10.05.19 20h30 » Iderval Miranda
08.05.19 19h00 » Marcelina Oliveira
06.05.19 11h00 » Paula Glenadel

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet