POESIA

Dániel Levente Pál

Tiro/arranco este poema para seu colo*

 

Tiro este poema para seu colo,
brinquemos que me ama ou não me ama,
de tal maneira, que nenhuma planta o entenda.

 

O telefone não tocava, nem a consciência,
o rio gemia,
caso desse à luz uma nova gaivota.

 

Me ama, não me ama, me ama,
você deixa sair os papéis no vento,
que eu não arranque mais este meu poema.

 

*Reproduzido de http://www.candido.bpp.pr.gov.br, com tradução do próprio poeta

 

Dániel Levente Pál, poeta da Hungria


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.09.19 20h30 » Gianni Sicardi
15.09.19 18h00 » José Eduardo Martins de Barros Melo
11.09.19 21h00 » Denise Freitas
08.09.19 19h30 » Milan Dekleva
05.09.19 12h00 » Mailson Viana
02.09.19 00h10 » Miltos Sachtouris
29.08.19 12h00 » Guilherme R. B. de Araujo
26.08.19 12h00 » H. Dobal
22.08.19 19h00 » Leilah Accioly
19.08.19 17h00 » Dorottya Bánkövi
15.08.19 18h00 » Hart Crane
12.08.19 10h28 » Moacyr Sacramento
08.08.19 18h00 » Dante Gatto
05.08.19 16h00 » Li He
02.08.19 23h30 » Leni Zilioto
31.07.19 20h00 » Jim Morrison
29.07.19 12h00 » Anderson Danyell
26.07.19 21h00 » Carlos Willian Leite
24.07.19 19h00 » William Wordsworth
22.07.19 13h00 » Jorge Riechmann

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet