POESIA

Alessio Brandolini

O que não mereço*

 

Dentro de nós estão os postes de luzes
e as placas que o frio polar abateu
estendes tua mão de gancho e a agarro
mal me erguendo na ponta dos pés.

Mais para o alto encontro a areia e a alegre
fila dos rastros das aves: a escritura
insone, vibrante no rubro das rosas
nas veias que estouram na testa
nos sinais do abandono, dos espinhos
e por baixo os cabos gélidos porque uso o mal
como um picão, um bate-estacas
vou fundo na carne (na minha, na nossa)
arrancando fígado, pulmões, coração.

          O que resta dos olhos.

 

*Reproduzido de http://www.algumapoesia.com.br, tradução de Vera Lúcia de Oliveira

 

Alessio Brandolini, poeta da Itália


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.09.19 18h00 » José Eduardo Martins de Barros Melo
11.09.19 21h00 » Denise Freitas
08.09.19 19h30 » Milan Dekleva
05.09.19 12h00 » Mailson Viana
02.09.19 00h10 » Miltos Sachtouris
29.08.19 12h00 » Guilherme R. B. de Araujo
26.08.19 12h00 » H. Dobal
22.08.19 19h00 » Leilah Accioly
19.08.19 17h00 » Dorottya Bánkövi
15.08.19 18h00 » Hart Crane
12.08.19 10h28 » Moacyr Sacramento
08.08.19 18h00 » Dante Gatto
05.08.19 16h00 » Li He
02.08.19 23h30 » Leni Zilioto
31.07.19 20h00 » Jim Morrison
29.07.19 12h00 » Anderson Danyell
26.07.19 21h00 » Carlos Willian Leite
24.07.19 19h00 » William Wordsworth
22.07.19 13h00 » Jorge Riechmann
20.07.19 00h30 » Miguel Torga

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet