POESIA

Ernst Jandl

conteúdo*

 

para fazer um poema
eu não tenho nada

uma língua inteira
uma vida inteira
um pensamento inteiro
uma memória inteira

para fazer um poema
eu não tenho nada

mutilado de guerra 1955

ele poderia, em breve,
tornar-se capitão.
pena a sua perna.

cristão católico que sou,
insisto no
despropósito da
vida humana

dois gestos distintos

eu me benzo
em frente a cada igreja
eu me ameixo
em frente a cada pomar

como faço o primeiro
qualquer católico sabe
como faço o último
só eu
metrô, na superfície

imóvel no assento estofado do metrô
vejo durante três minutos, entre cinza e cinza
e jornais que se desdobram
e passageiros de pé que seguram longos canos
nas mãos,
verdes e azuis indefinidos

imóvel no assento estofado do metrô
o mundo me (co)move.

 

Reproduzido de http://sibila.com.br , tradução de Fabiana Macchi

 

Ernst Jandl (1925-2000), poeta da Áustria


Voltar  

Confira também nesta seção:
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe
06.05.20 10h00 » Gustavo Jugend
29.04.20 10h00 » Diego Wayne
22.04.20 00h01 » Alda Lara
15.04.20 16h00 » Eliane Potiguara
08.04.20 18h05 » Zé Bolo Flô
01.04.20 19h00 » Alexandra Vieira de Almeida
25.03.20 19h00 » Gilberto Nable
19.03.20 00h10 » Horacio Castillo
12.03.20 18h10 » Cinthia Kriemler
05.03.20 18h00 » Eunice Arruda
27.02.20 17h00 » Ashraf Fayadh
20.02.20 18h00 » Ângela Coradini
13.02.20 18h30 » Deborah Dornellas
06.02.20 18h30 » Thomas Kinsella
30.01.20 19h00 » Daniella Oliveira
20.10.19 12h00 » Amélia Biagioni

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet