POESIA

Olga Bergolts

E eu digo-lhe, que não são
vãos os anos que vivi,
nem inúteis os caminhos percorridos,
ou sem objectivo tudo o que ouvi.
Não são imunes ao mundo,
nem são imaginariamente uma prenda de anos,
os amores em vão também não foram,
amores fraudulentos ou doentes,
a sua luz limpa e imortal
sempre em mim,
                                       sempre em mim.
E nunca é tarde para de novo
começar toda a vida,
                                      encetar o caminho,
para que do passado ─ nem uma palavra,
nem um gemido seja destruído.

 

*Reproduzido de http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com , tradução de Manuel de Seabra

 

Olga Bergolts (1910-1975), poeta da Rússia

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.06.19 17h00 » Sebastião da Gama
17.06.19 12h00 » Bento Nascimento
14.06.19 21h30 » Eeva-Liisa Manner
12.06.19 20h00 » Bete Nascimento
10.06.19 12h00 » Nathan Zach
07.06.19 22h00 » Marianne Moore
05.06.19 21h30 » Nélson de Souza
03.06.19 12h00 » Alcides Villaça
31.05.19 21h00 » Chantal Castelli
29.05.19 20h00 » Roberto Prado
27.05.19 12h00 » André Ricardo Aguiar
24.05.19 22h00 » Yasmin Nigri
22.05.19 21h00 » Bernadete Crecêncio Laurindo
20.05.19 12h00 » Vivita Cartier
17.05.19 21h00 » José Brandão
15.05.19 18h00 » Olga Bergolts
13.05.19 10h00 » Reinaldo Arenas
10.05.19 20h30 » Iderval Miranda
08.05.19 19h00 » Marcelina Oliveira
06.05.19 11h00 » Paula Glenadel

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet