POESIA

Joumana Haddad

O Regresso de Lilith (excertos)*

 

Da flauta das duas coxas sobe o meu canto 
E da minha luxúria abrem-se os rios. 
Como não poderia haver uma maré 
de cada vez que entre os meus verticais lábios brilha um sorriso? 
Porque eu sou a primeiro e a última 
A cortesã virgem 
O medo cobiçado 
A adorada desprezada 
E a velada desnuda
Porque eu sou a maldição do que precede,
O pecado desaparecido dos desertos quando abandonei Adão. 
Ele andou aqui e ali, quebrou a sua perfeição. 
Desci-o à terra e acendi para ele a flor da figueira. 
Eu não sou nem a rebelde nem a égua fácil. 
Antes o desvanecer do pesar último. 
Sou Lilith
Regresso do meu exílio 
Para herdar a morte da mãe a que dei vida.

 

*Reproduzido de http://rosaleonor.blogspot.com , traduzido do francês por Mariana Inverno

 

Joumana Haddad, poeta do Líbano

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe
06.05.20 10h00 » Gustavo Jugend
29.04.20 10h00 » Diego Wayne
22.04.20 00h01 » Alda Lara
15.04.20 16h00 » Eliane Potiguara
08.04.20 18h05 » Zé Bolo Flô
01.04.20 19h00 » Alexandra Vieira de Almeida
25.03.20 19h00 » Gilberto Nable
19.03.20 00h10 » Horacio Castillo
12.03.20 18h10 » Cinthia Kriemler
05.03.20 18h00 » Eunice Arruda
27.02.20 17h00 » Ashraf Fayadh
20.02.20 18h00 » Ângela Coradini

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet