POESIA

Joumana Haddad

O Regresso de Lilith (excertos)*

 

Da flauta das duas coxas sobe o meu canto 
E da minha luxúria abrem-se os rios. 
Como não poderia haver uma maré 
de cada vez que entre os meus verticais lábios brilha um sorriso? 
Porque eu sou a primeiro e a última 
A cortesã virgem 
O medo cobiçado 
A adorada desprezada 
E a velada desnuda
Porque eu sou a maldição do que precede,
O pecado desaparecido dos desertos quando abandonei Adão. 
Ele andou aqui e ali, quebrou a sua perfeição. 
Desci-o à terra e acendi para ele a flor da figueira. 
Eu não sou nem a rebelde nem a égua fácil. 
Antes o desvanecer do pesar último. 
Sou Lilith
Regresso do meu exílio 
Para herdar a morte da mãe a que dei vida.

 

*Reproduzido de http://rosaleonor.blogspot.com , traduzido do francês por Mariana Inverno

 

Joumana Haddad, poeta do Líbano

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
16.10.19 20h00 » Humberto Espíndola
13.10.19 12h00 » Irene Rezende
09.10.19 19h00 » Robert Walser
06.10.19 12h00 » Jean Narciso Bispo Moura
02.10.19 18h30 » Sérgio Lima
29.09.19 13h00 » Carlos Barbosa
25.09.19 20h30 » Fabrício Marques
22.09.19 11h00 » Tove Ditlevsen
18.09.19 20h30 » Gianni Sicardi
15.09.19 18h00 » José Eduardo Martins de Barros Melo
11.09.19 21h00 » Denise Freitas
08.09.19 19h30 » Milan Dekleva
05.09.19 12h00 » Mailson Viana
02.09.19 00h10 » Miltos Sachtouris
29.08.19 12h00 » Guilherme R. B. de Araujo
26.08.19 12h00 » H. Dobal
22.08.19 19h00 » Leilah Accioly
19.08.19 17h00 » Dorottya Bánkövi
15.08.19 18h00 » Hart Crane
12.08.19 10h28 » Moacyr Sacramento

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet