POESIA

Rosa Alice Branco

Serenata à chuva*


Chuva, manhã cinza, guarda-chuva. 
Entrar no contexto, dois pontos. Ele e ela 
abraçados caminham sob o teto 
do guarda-chuva que os guarda. 
Pelas ruas vão com a vontade de voltar 
ao branco dos lençóis. Esse objeto prosaico 
que às vezes se vira com o vento 
torna-se objeto de poema. Dizer também 
como a chuva é doce neste dia de verão. 
Como o amor altera o sentido da chuva, 
sim, como ela se eleva no ar e as frases se colam 
ao vestido. No interior da pele o poema mudou 
desde que entraste no guarda-chuva esquecido 
a um canto do armário. Talvez o amor seja tudo amar 
sem exceção. Eu que nunca uso guarda-chuva 
assino incondicionalmente este poema.

 

*Reproduzido de https://poesia-portuguesa.com

 

Rosa Alice Branco, poeta de Portugal


Voltar  

Confira também nesta seção:
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe
06.05.20 10h00 » Gustavo Jugend
29.04.20 10h00 » Diego Wayne
22.04.20 00h01 » Alda Lara
15.04.20 16h00 » Eliane Potiguara
08.04.20 18h05 » Zé Bolo Flô
01.04.20 19h00 » Alexandra Vieira de Almeida
25.03.20 19h00 » Gilberto Nable
19.03.20 00h10 » Horacio Castillo
12.03.20 18h10 » Cinthia Kriemler
05.03.20 18h00 » Eunice Arruda
27.02.20 17h00 » Ashraf Fayadh
20.02.20 18h00 » Ângela Coradini

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet