POESIA

Hart Crane

Jardim abstrato*

A maçã no seu galho é tudo o que ela quer,
Suspensão cintilante, mímica do sol.
O ramo arrebatou-lhe o sopro, e sua voz,
Mudamente cingida aos declives e alturas
De ramo a ramo acima, turva-lhe a visão,
Prisioneira da árvore e seus dedos verdes.

E ela se sonha enfim a própria árvore.
O vento, que a possui, tece-lhe as veias jovens,
Retendo-a para o céu e seu rápido azul,
E afoga a febre de suas mãos no sol.
Ela não tem memória, medo ou esperança
Além da grama e sombras a seus pés.

 

*Reproduzido de https://www.revistaprosaversoearte.com , tradução de Augusto de Campos

 

Hart Crane (1899-1932), poeta dos Estados Unidos


Voltar  

Confira também nesta seção:
08.07.20 00h10 » Ian Curtis
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe
06.05.20 10h00 » Gustavo Jugend
29.04.20 10h00 » Diego Wayne
22.04.20 00h01 » Alda Lara
15.04.20 16h00 » Eliane Potiguara
08.04.20 18h05 » Zé Bolo Flô
01.04.20 19h00 » Alexandra Vieira de Almeida
25.03.20 19h00 » Gilberto Nable
19.03.20 00h10 » Horacio Castillo
12.03.20 18h10 » Cinthia Kriemler
05.03.20 18h00 » Eunice Arruda
27.02.20 17h00 » Ashraf Fayadh

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet