POESIA

Irene Rezende

Minha infância foi quebrada*

 

era sempre:
apanhar uma surra
ou cair um tombo;

para cada machucado minha mãe adiantava:
- vai sair as tripas!

O susto de um instante,
colava pra sempre na minha alma;

Uma tristeza se alinhava ao meu lado
como se fosse a aparição de um fantasma;

O peito
tão apertado não cabiam duas ideias

O boiadeiro tinha 20 passos de largura 
e o luar sobre ele

De braços cruzados com o tempo
eu contemplava o melhor do arco-íris
enquanto colava pétalas vermelhas nas unhas
pra fingir que já era moça feita

Tinha direitos mais largos 
e paixões mais lentas

pena é que:

“Águas passadas não afogam ninguém”

 

*Poema enviado pela autora, atendendo solicitação do tyrannus

 

Irene Severina Rezende, poeta brasileira

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
27.10.20 19h00 » Pádua Fernandes
20.10.20 19h00 » Catarina Lins
13.10.20 19h00 » Akiko Yosano
06.10.20 19h00 » Graça Pires
29.09.20 19h00 » Warsan Shire
22.09.20 21h00 » Wladimir Cazé
15.09.20 21h00 » Ernesto Manuel de Melo e Castro
08.09.20 20h00 » Martin Jankowski
01.09.20 22h50 » Conceição Evaristo
26.08.20 00h01 » Sousândrade
19.08.20 00h01 » Eduard Traste
12.08.20 00h01 » Carlos Orfeu
05.08.20 00h10 » Emílio Moura
29.07.20 00h01 » Josefina Pla
22.07.20 00h06 » Andréa Catrópa
15.07.20 00h10 » Niels Hav
08.07.20 00h10 » Ian Curtis
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet