Nuno Ramos

Cachorro morto num saco de lixo
areia, sargaço, cacos de vidro
mar dos afogados, mar também dos vivos
escuta teu murmúrio no que eu digo.

Nunca houve outro sal, e nunca um dia
matou o seu poente, nem a pedra
feita de outra pedra, partiu o mar ao meio.
Assim é a matéria, tem seu frio

e nunca vi um animal mais feio
nem pude ouvir o seu latido.
Por isso durmo e não pergunto
junto aos juncos.



Nuno Ramos, poeta brasileiro

Voltar  

Confira também nesta seção:
22.09.20 21h00 » Wladimir Cazé
15.09.20 21h00 » Ernesto Manuel de Melo e Castro
08.09.20 20h00 » Martin Jankowski
01.09.20 22h50 » Conceição Evaristo
26.08.20 00h01 » Sousândrade
19.08.20 00h01 » Eduard Traste
12.08.20 00h01 » Carlos Orfeu
05.08.20 00h10 » Emílio Moura
29.07.20 00h01 » Josefina Pla
22.07.20 00h06 » Andréa Catrópa
15.07.20 00h10 » Niels Hav
08.07.20 00h10 » Ian Curtis
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet