Adélia Prado

Agora, ó José


É teu destino, ó José,
a esta hora da tarde,
se encostar na parede,
as mãos para trás.
Teu paletó abotoado
de outro frio te guarda,
enfeita com três botões
tua paciência dura.
A mulher que tens, tão histérica,
tão histórica, desanima.
Mas, ó José, o que fazes?
Passeias no quarteirão
o teu passeio maneiro
e olhas assim e pensas,
o modo de olhar tão pálido.
Por improvável não conta
O que tu sentes, José?
O que te salva da vida
é a vida mesma, ó José,
e o que sobre ela está escrito
a rogo de tua fé:
“No meio do caminho tinha uma pedra”
“Tu és pedra e sobre esta pedra”.
A pedra, ó José, a pedra.
Resiste, ó José. Deita, José,
Dorme com tua mulher,
gira a aldraba de ferro pesadíssima.
O reino do céu é semelhante a um homem
como você, José.


Adélia Prado, poeta brasileira

Voltar  

Confira também nesta seção:
22.09.20 21h00 » Wladimir Cazé
15.09.20 21h00 » Ernesto Manuel de Melo e Castro
08.09.20 20h00 » Martin Jankowski
01.09.20 22h50 » Conceição Evaristo
26.08.20 00h01 » Sousândrade
19.08.20 00h01 » Eduard Traste
12.08.20 00h01 » Carlos Orfeu
05.08.20 00h10 » Emílio Moura
29.07.20 00h01 » Josefina Pla
22.07.20 00h06 » Andréa Catrópa
15.07.20 00h10 » Niels Hav
08.07.20 00h10 » Ian Curtis
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet