João Cabral de Melo Neto


Difícil ser funcionário


Difícil ser funcionário
Nesta segunda-feira.
Eu te telefono, Carlos
Pedindo conselho.

Não é lá fora o dia
Que me deixa assim,
Cinemas, avenidas,
E outros não-fazeres.

É a dor das coisas,
O luto desta mesa;
É o regimento proibindo
Assovios, versos, flores.

Eu nunca suspeitara
Tanta roupa preta;
Tão pouco essas palavras —
Funcionárias, sem amor.

Carlos, há uma máquina
Que nunca escreve cartas;
Há uma garrafa de tinta
Que nunca bebeu álcool.

E os arquivos, Carlos,
As caixas de papéis:
Túmulos para todos
Os tamanhos de meu corpo.

Não me sinto correto
De gravata de cor,
E na cabeça uma moça
Em forma de lembrança

Não encontro a palavra
Que diga a esses móveis.
Se os pudesse encarar...
Fazer seu nojo meu...




João Cabral de Melo Neto, poeta brasileiro (1920-1999)

Voltar  

Confira também nesta seção:
24.04.19 19h00 » Marcelo Ariel
22.04.19 00h10 » Adailton Medeiros
19.04.19 19h30 » Edival Lourenço
17.04.19 18h30 » Júlia Lopes de Almeida
15.04.19 13h00 » Darcy França Denófrio
12.04.19 20h30 » Alessio Brandolini
10.04.19 14h00 » Lucas Lemos
08.04.19 01h50 » Nuno Gonçalves
05.04.19 20h00 » Flora Figueiredo
03.04.19 19h30 » Luíza Mendes Furia
01.04.19 12h00 » Dániel Levente Pál
29.03.19 20h30 » Viviane Mosé
27.03.19 17h00 » António Vilhena
25.03.19 12h00 » Anne Carson
22.03.19 20h00 » Leo Barth
20.03.19 18h00 » Altair Leal
18.03.19 14h00 » Quinita Ribeiro Sampaio
15.03.19 21h00 » Ramon Carlos
13.03.19 18h00 » Cássia Janeiro
11.03.19 12h00 » Edson Flávio Santos

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet