Gabriela Mistral

Coplas


A tudo, em minha boca,
um sabor de lágrimas se acresce;
a meu pão cotidiano, a meu canto
e até à minha prece.


Eu não tenho outro oficio,
depois do silente de amar-te,
que este oficio de lágrimas, duro,
que tu me deixaste.


Olhos apertados
de candentes lágrimas!
Boca atribulada e convulsa,
em que prece tudo se tornava!


Tenho um vergonha
deste modo covarde de ser!
Nem vou em tua busca
nem consigo também te esquecer!


E há um remoer que me sangra
de olhar um céu
não visto por teus olhos,
de apalpar as rosas
sustentadas pela cal de teus ossos!

Gabriela Mistral, poeta chilena (1889-1957)



Voltar  

Confira também nesta seção:
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha
08.08.18 18h00 » Alberto da Cunha Melo
06.08.18 18h00 » Luís Avelima
04.08.18 18h00 » Alfredo Rossetti
02.08.18 18h40 » Néia Gesualdi
31.07.18 18h00 » Libério Neves
29.07.18 18h00 » Gabriela Clara Pignataro
27.07.18 18h00 » Konstantin Balmont
25.07.18 18h00 » Paulo Sabladovsk
23.07.18 18h00 » Ángel González
21.07.18 18h27 » Alexandre França
19.07.18 18h00 » Jules Laforgue
17.07.18 18h00 » Armando da Silva Carvalho
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet