POESIA

Silvina Ocampo

Leda e o Cisne

O cisne que n´água perdurava
como uma nuvem arcana impenitente
olhou Leda nos olhos: gradualmente
no seu conhecimento a abraçava.

O amor que em suas asas respirava
como Deus, como o sol, ardentemente,
percorria o adorno da frente
a cintura e os músculos enlaçava.

Já a água douta em repetir figuras
mostrou que o cisne e Leda eram iguais
assinalando nas sombras com brancuras.

o pescoço, o braço, pescoço apaixonado,
como os ramos de árvores rituais
que misteriosamente hão amado.


Silvina Ocampo, poeta argentina (1903-1994)

Voltar  

Confira também nesta seção:
12.08.20 00h01 » Carlos Orfeu
05.08.20 00h10 » Emílio Moura
29.07.20 00h01 » Josefina Pla
22.07.20 00h06 » Andréa Catrópa
15.07.20 00h10 » Niels Hav
08.07.20 00h10 » Ian Curtis
01.07.20 00h01 » Max Martins
24.06.20 00h10 » Rachel Ventura Rabello
17.06.20 00h10 » Ruth Maier
10.06.20 00h10 » Amparo Osório
03.06.20 00h10 » Hector de Saint-Denys Garneau
27.05.20 00h10 » Henry David Thoreau
20.05.20 00h01 » Ana Cláudia Romano Ribeiro
13.05.20 10h00 » Ana Guadalupe
06.05.20 10h00 » Gustavo Jugend
29.04.20 10h00 » Diego Wayne
22.04.20 00h01 » Alda Lara
15.04.20 16h00 » Eliane Potiguara
08.04.20 18h05 » Zé Bolo Flô
01.04.20 19h00 » Alexandra Vieira de Almeida

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet