POESIA

Dahlia Ravikovitch

A boneca mecânica*

Nessa noite eu fui uma boneca mecânica
Eu ia à direita e esquerda, todos os lados,
Caí de cara no chão e quebrei em pedaços
E tentaram unir meus cacos com mãos hábeis.

Depois voltei a ser uma boneca padrão
E meus modos eram pensados e obedientes,
Mas já era boneca de segundo tipo
Como um galho ferido preso por um fio.

Depois disso fui dançar numa festa, baile
Mas me deixaram entre os gatos e os cachorros
Ainda que os passos fossem medidos, ritmados.

E eu tinha cabelos loiros e olhos azuis
E eu tinha vestido cor das flores do parque
E eu tinha uma palheta ornada de cereja.


*Reproduzido de http://revistamododeusar.blogspot.com.br/ , com tradução de Moacir Amâncio

Dahlia Ravikovitch (1936-2005), poeta de Israel


Voltar  

Confira também nesta seção:
17.12.17 18h54 » Rupi Kaur
15.12.17 19h00 » Nicanor Parra
13.12.17 19h00 » Anne Ellen
11.12.17 17h49 » Ismar Tirelli Neto
09.12.17 18h00 » Julio Bepré
07.12.17 20h00 » Sandro Penna
05.12.17 19h00 » Paulo Augusto
03.12.17 18h00 » Álvaro Mutis
01.12.17 18h45 » Nikola Vaptsarov
29.11.17 19h00 » Émile Verhaeren
27.11.17 19h00 » Marina Mara
25.11.17 19h00 » Miró da Muribeca
23.11.17 18h27 » Reiner Kunze
21.11.17 18h30 » Maria Tereza Horta
19.11.17 18h00 » José Laurenio de Melo
17.11.17 17h56 » Lu Menezes
15.11.17 18h35 » Ricardo Aleixo
13.11.17 18h30 » Nicolai Zabolótzki
11.11.17 19h00 » Kányádi Sándor
09.11.17 19h30 » Célia Musilli

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet