POESIA

Pedro Luso

A noite

A janela do quarto,
na semiobscuridade,
bate repetidamente.
É o vento
trazendo lembranças
e fantasmas
das lonjuras do tempo.
Vento forte
quebrando a solidão
do bronze das estátuas,
esquecidas
nas praças desertas.
A cidade dorme
com suas feridas expostas.


Pedro Luso de Carvalho, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.04.18 18h40 » Kobayashi Issa
16.04.18 18h30 » Giorgio Caproni
14.04.18 18h00 » Natalino Ferreira Mendes
12.04.18 17h00 » Alan Lidugero
10.04.18 18h00 » Pedro Salinas
08.04.18 17h23 » Chairil Anwar
06.04.18 18h00 » Primo Levi
04.04.18 18h00 » Alexandre Guarnieri
02.04.18 19h00 » Ana Santos
29.03.18 18h00 » Geir Gulliksen
27.03.18 18h30 » Marta Braier
25.03.18 17h20 » Zang Kejia
23.03.18 17h30 » Claude MacKay
21.03.18 17h30 » Bo Carpelan
19.03.18 17h30 » Ronald de Carvalho
17.03.18 17h30 » Salah Niazi
15.03.18 17h30 » Tomas Venclova
13.03.18 17h30 » Eduardo Lizalde
11.03.18 17h22 » José Paulo Paes
09.03.18 17h30 » Kurti Marti

Agenda Cultural

  • Em Breve:
  • Festival de Choro
  • Dia: 22 de abril
  • Local: Teatro Zulmira Canavarros
  • Informações: no link
  • Em Breve:
  • 7º Ataque de Riso
  • Dia: 21 de abril
  • Local: Cine Teatro Cuiabá
  • Informações: no link
Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet