POESIA

Li Bai

Uma taça de vinho, sob as árvores floridas
Bebo sozinho, pois nenhum amigo está por perto
Levantando minha taça, eu aceno para a lua
Com ela e a minha sombra, seremos três
A lua, ai! não é uma bebedora de vinho
Indiferente, minha sombra rasteja ao meu lado
Ainda assim, tendo a lua como amiga e a sombra como escrava
Devo alegrar-me antes que a primavera acabe
Para as melodias que eu canto, o brilho da lua treme
Na dança que crio, minha sombra enrosca e dissolve
Quando estávamos sóbrios, nos divertíamos juntos
Agora que estamos bêbados, cada um segue seu caminho
Que possamos sempre compartilhar nosso peculiar e inanimado Carnaval
E nos encontrarmos enfim no Rio Nebuloso dos céus


*Reproduzido de https://books.google.com.br/ - Os Chineses, por Cláudia Trevisan

Li Bai (701-762), poeta da China


Voltar  

Confira também nesta seção:
17.07.18 18h00 » Armando da Silva Carvalho
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado
03.07.18 18h00 » Rumen Stoyanov
01.07.18 18h00 » Ana Cecília de Sousa Bastos
29.06.18 17h52 » Bartyra Soares
27.06.18 18h00 » Georg Trakl
25.06.18 18h00 » May Ayim
23.06.18 18h00 » Eugenio Montaje
21.06.18 18h00 » Lya Luft
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni
09.06.18 17h59 » Miguel Martins

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet