POESIA

Gyorgy Somlyó

Fábula da flor artificial


São tal e qual como as verdadeiras, seria de esperar que falassem.
Simplesmente não falam.
São belas como as verdadeiras rosas.
Mas um pouco mais belas.
Com mais plenitude.
Todas as espécies estão presentes. E cada qual a mais perfeita.
Do pénis do botão fechado aos lábios desabrochados das pétalas.
As que estão semiabertas, as que o estão totalmente.
E a gama das cores do amarelo profundo ao quase branco.
Iguais hoje àquilo que foram ontem.
E ainda iguais amanhã.
Ignorando o tempo e dele ignoradas.
Como elas zombam de ti, meu antigo desejo:
Anotar a álgebra de uma rosa do irradiar ao declínio.

Não se pode viver com uma rosa que não murcha.


*Reproduzido do site https://textosdepoesia.wordpress.com/ , tradução de Egito Gonçalves

Gyorgy Somlyó (1920-2006), poeta da Hungria


Voltar  

Confira também nesta seção:
21.11.17 18h30 » Maria Tereza Horta
19.11.17 18h00 » José Laurenio de Melo
17.11.17 17h56 » Lu Menezes
15.11.17 18h35 » Ricardo Aleixo
13.11.17 18h30 » Nicolai Zabolótzki
11.11.17 19h00 » Kányádi Sándor
09.11.17 19h30 » Célia Musilli
07.11.17 18h48 » Ana Beise
05.11.17 19h00 » Leo Cunha
03.11.17 19h00 » Roge Weslen
01.11.17 19h00 » Marcelo da Veiga
30.10.17 18h56 » Wender Souza
28.10.17 18h47 » Divanize Carbonieri
26.10.17 18h48 » Edra Moraes
24.10.17 20h45 » Linda Maria Baros
22.10.17 18h00 » Victor Heringer
20.10.17 17h00 » Tahar Ben Jelloun
18.10.17 19h00 » Jorge Tufic
16.10.17 18h23 » Carlito Azevedo
14.10.17 19h00 » Ana Paula Tavares

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet