POESIA

Edoardo Sanguineti

em ti dormia como um fibroma enxuto...

em ti dormia como um fibroma enxuto, como uma tênia magra,
[um sonho;
agora pisa o pedrisco, agora espanta a própria sombra; agora grita
deglute, urina, tendo sempre esperado o gosto
da camomila, a temperatura da lebre, o rumor do granizo,
a forma do teto, a cor da palha:
......................sem remédio o tempo
voltou-se para os seus dias; a terra oferece imagens confusas;
saberá reconhecer a cabra, o camponês, o canhão?
não estas tesouras realmente esperava, não esta pera,
quando tremia naquele teu saco de membranas opacas.


*Reproduzido de  http://revistamododeusar.blogspot.com.br/ , tradução de Maurício Santana Dias

Edoardo Sanguineti (1930-2010), poeta da Itália


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.02.18 17h11 » Geraldo Carneiro
17.02.18 17h30 » Ruy Belo
15.02.18 17h30 » Homero
13.02.18 17h30 » Corsíndio Monteiro da Silva
11.02.18 17h30 » Ana Caetano
09.02.18 17h24 » Zito Batista
07.02.18 17h30 » Nichita Stanescu
05.02.18 17h30 » Benedito Pedro Dorileo
03.02.18 17h30 » Paulo Bruscky
01.02.18 17h30 » Alfred Tennyson
30.01.18 17h21 » Lívia Tucci
28.01.18 18h00 » Vassíli Kamiênski
26.01.18 18h00 » Boris Hristov
24.01.18 17h39 » Virna Teixeira
22.01.18 18h00 » Camilo Pessanha
20.01.18 18h00 » Tânia Tomé
18.01.18 18h00 » Antonio Oliveira
16.01.18 17h45 » Dílson Lages Monteiro
14.01.18 17h56 » Cid Corman
12.01.18 17h25 » Leila Míccolis

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet