POESIA

Gerardo Diego

Lâmina


As coisas perderam seu
                                 relevo.
Casas, ambiente, tudo
                                 sem fundo.
Vejo rostos de mulheres
                              planimétricas.
As ruas são mentiras
                              geométricas.
Linhas de pontos, sincopadas
com infantis perspectivas
          Perdi meu estereoscópio.
          Em mim mesmo tudo é
                                       superficial
Perdi o escorço
                                       esferoidal.
Oh absurdo mapa-múndi
                                       retangular.
A paisagem sai do rolo,
                                       torta.


*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br/ , com tradução do próprio


Gerardo Diego (1896-1987), poeta da Espanha


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.02.18 17h11 » Geraldo Carneiro
17.02.18 17h30 » Ruy Belo
15.02.18 17h30 » Homero
13.02.18 17h30 » Corsíndio Monteiro da Silva
11.02.18 17h30 » Ana Caetano
09.02.18 17h24 » Zito Batista
07.02.18 17h30 » Nichita Stanescu
05.02.18 17h30 » Benedito Pedro Dorileo
03.02.18 17h30 » Paulo Bruscky
01.02.18 17h30 » Alfred Tennyson
30.01.18 17h21 » Lívia Tucci
28.01.18 18h00 » Vassíli Kamiênski
26.01.18 18h00 » Boris Hristov
24.01.18 17h39 » Virna Teixeira
22.01.18 18h00 » Camilo Pessanha
20.01.18 18h00 » Tânia Tomé
18.01.18 18h00 » Antonio Oliveira
16.01.18 17h45 » Dílson Lages Monteiro
14.01.18 17h56 » Cid Corman
12.01.18 17h25 » Leila Míccolis

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet