POESIA

Ivo Barroso

Nova profissão de fé

O poeta já não escreve.
Sua escrita
por mais breve
ele digita.

Hoje se arrima
na frase elétrica
muito mais prática:
Adeus à rima.
Adeus à métrica.
Adeus gramática.

Como declara
ser bom poeta
na tela clara,
já náo procura
a via reta
na selva escura

E de atalaia
se pôe à espreita
de uma palavra que lhe caia
na rede branca que ele deita.

Ronda noturna essa
caçada
que nunca cessa.
No fim da madrugada
ainda acessa.

Da tela branca
noite afora
por fim arranca
a sua aurora.

No fim cansado
de tanta busca
com dissabor
toca o teclado
de forma brusca.

Nada se salva
de seu labor
de poeta.
Pois nada salva
na tela alva
que ele deleta.

*Reproduzido de http://www.algumapoesia.com.br

Ivo Barroso, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.10.17 19h00 » Jorge Tufic
16.10.17 18h23 » Carlito Azevedo
14.10.17 19h00 » Ana Paula Tavares
12.10.17 19h00 » Fabio Weintraub
10.10.17 19h00 » Ivan Vazov
08.10.17 19h30 » Erre Amaral
06.10.17 19h00 » Thaís Guiimarães
04.10.17 20h00 » Lidia Jorge
02.10.17 22h00 » Luís Veiga Leitão
29.09.17 18h00 » Augusta Faro
27.09.17 17h30 » Maria Rezende
25.09.17 17h30 » Carlos Ayres Britto
23.09.17 17h30 » André Di Bernardi
21.09.17 17h30 » John Mateer
19.09.17 18h00 » Henri Meschonnic
17.09.17 17h30 » Ida Vitale
15.09.17 18h11 » Matheus Guménin Barreto
13.09.17 18h22 » Homero Aridjis
11.09.17 18h50 » J. B. Sayeg
09.09.17 18h50 » Paulo Lins

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet