POESIA

Nicolás Guillén

Eu Ia Por Um Caminho*
 

Eu ia por um caminho,
quando com a Morte dei.
Amigo! – gritou a Morte,
mas eu não lhe respondi,
mas eu não lhe respondi;
só fiquei olhando a Morte,
mas eu não lhe respondi.

Eu levava um lírio branco
no instante em que a Morte vi.
Me pediu o lírio, a Morte,
mas eu não lhe respondi,
mas eu não lhe respondi;
só fiquei olhando a Morte,
mas eu não lhe respondi

Ah, Morte,
se um dia volto a te ver,
quero conversar contigo
como um amigo;
meu lírio, sobre teu peito,
como um amigo;
sobre tua mão, meu beijo,
como um amigo,
eu, parado, te sorrindo,
             como um amigo.


*Tradução de Thiago de Mello

Nicolás Guillén (1902-1989), poeta de Cuba


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.02.18 17h11 » Geraldo Carneiro
17.02.18 17h30 » Ruy Belo
15.02.18 17h30 » Homero
13.02.18 17h30 » Corsíndio Monteiro da Silva
11.02.18 17h30 » Ana Caetano
09.02.18 17h24 » Zito Batista
07.02.18 17h30 » Nichita Stanescu
05.02.18 17h30 » Benedito Pedro Dorileo
03.02.18 17h30 » Paulo Bruscky
01.02.18 17h30 » Alfred Tennyson
30.01.18 17h21 » Lívia Tucci
28.01.18 18h00 » Vassíli Kamiênski
26.01.18 18h00 » Boris Hristov
24.01.18 17h39 » Virna Teixeira
22.01.18 18h00 » Camilo Pessanha
20.01.18 18h00 » Tânia Tomé
18.01.18 18h00 » Antonio Oliveira
16.01.18 17h45 » Dílson Lages Monteiro
14.01.18 17h56 » Cid Corman
12.01.18 17h25 » Leila Míccolis

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet