POESIA

Nicolás Guillén

Eu Ia Por Um Caminho*
 

Eu ia por um caminho,
quando com a Morte dei.
Amigo! – gritou a Morte,
mas eu não lhe respondi,
mas eu não lhe respondi;
só fiquei olhando a Morte,
mas eu não lhe respondi.

Eu levava um lírio branco
no instante em que a Morte vi.
Me pediu o lírio, a Morte,
mas eu não lhe respondi,
mas eu não lhe respondi;
só fiquei olhando a Morte,
mas eu não lhe respondi

Ah, Morte,
se um dia volto a te ver,
quero conversar contigo
como um amigo;
meu lírio, sobre teu peito,
como um amigo;
sobre tua mão, meu beijo,
como um amigo,
eu, parado, te sorrindo,
             como um amigo.


*Tradução de Thiago de Mello

Nicolás Guillén (1902-1989), poeta de Cuba


Voltar  

Confira também nesta seção:
20.10.17 17h00 » Tahar Ben Jelloun
18.10.17 19h00 » Jorge Tufic
16.10.17 18h23 » Carlito Azevedo
14.10.17 19h00 » Ana Paula Tavares
12.10.17 19h00 » Fabio Weintraub
10.10.17 19h00 » Ivan Vazov
08.10.17 19h30 » Erre Amaral
06.10.17 19h00 » Thaís Guiimarães
04.10.17 20h00 » Lidia Jorge
02.10.17 22h00 » Luís Veiga Leitão
29.09.17 18h00 » Augusta Faro
27.09.17 17h30 » Maria Rezende
25.09.17 17h30 » Carlos Ayres Britto
23.09.17 17h30 » André Di Bernardi
21.09.17 17h30 » John Mateer
19.09.17 18h00 » Henri Meschonnic
17.09.17 17h30 » Ida Vitale
15.09.17 18h11 » Matheus Guménin Barreto
13.09.17 18h22 » Homero Aridjis
11.09.17 18h50 » J. B. Sayeg

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet