POESIA

Edra Moraes

Não sou musa, sou poeta*

 

Musas são diáfanas, acariciam como a seda,
Leves como uma pena ao vento

Eu carrego em mim o peso de um bloco de mármore,
e rasgo a carne como o ferro

Musas caminham nas pontas dos dedos,
Admiram Sade, Foucault e Loyola

Eu caminho coxa arrastando este fantasma,
Todos eles me estudaram e nunca me entenderam

Musas têm bundas, seios e sorrisos fáceis
Eu não tenho corpo, sou bela como um vulcão

Musas caminham de mãos dadas ao teu lado
E despertam a inveja dos teus amigos

Eu caminho sozinha, mesmo na multidão
Eu uso minhas mãos para tirar as pedras do caminho

Musas estudam arte, cinema, música e poema
Eu vomito palavras, erro os acentos e troco pronomes

Musas nasceram para serem amadas
e eu, poeta que sou, nasci para amar
Amar a ti, aos pássaros e o cão morto na esquina

 

*Reproduzido de http://elmirdad.blogspot.com.br

 

 

Edra Moraes, poeta brasileira

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
17.07.18 18h00 » Armando da Silva Carvalho
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado
03.07.18 18h00 » Rumen Stoyanov
01.07.18 18h00 » Ana Cecília de Sousa Bastos
29.06.18 17h52 » Bartyra Soares
27.06.18 18h00 » Georg Trakl
25.06.18 18h00 » May Ayim
23.06.18 18h00 » Eugenio Montaje
21.06.18 18h00 » Lya Luft
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni
09.06.18 17h59 » Miguel Martins

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet