POESIA

Edra Moraes

Não sou musa, sou poeta*

 

Musas são diáfanas, acariciam como a seda,
Leves como uma pena ao vento

Eu carrego em mim o peso de um bloco de mármore,
e rasgo a carne como o ferro

Musas caminham nas pontas dos dedos,
Admiram Sade, Foucault e Loyola

Eu caminho coxa arrastando este fantasma,
Todos eles me estudaram e nunca me entenderam

Musas têm bundas, seios e sorrisos fáceis
Eu não tenho corpo, sou bela como um vulcão

Musas caminham de mãos dadas ao teu lado
E despertam a inveja dos teus amigos

Eu caminho sozinha, mesmo na multidão
Eu uso minhas mãos para tirar as pedras do caminho

Musas estudam arte, cinema, música e poema
Eu vomito palavras, erro os acentos e troco pronomes

Musas nasceram para serem amadas
e eu, poeta que sou, nasci para amar
Amar a ti, aos pássaros e o cão morto na esquina

 

*Reproduzido de http://elmirdad.blogspot.com.br

 

 

Edra Moraes, poeta brasileira

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
21.11.17 18h30 » Maria Tereza Horta
19.11.17 18h00 » José Laurenio de Melo
17.11.17 17h56 » Lu Menezes
15.11.17 18h35 » Ricardo Aleixo
13.11.17 18h30 » Nicolai Zabolótzki
11.11.17 19h00 » Kányádi Sándor
09.11.17 19h30 » Célia Musilli
07.11.17 18h48 » Ana Beise
05.11.17 19h00 » Leo Cunha
03.11.17 19h00 » Roge Weslen
01.11.17 19h00 » Marcelo da Veiga
30.10.17 18h56 » Wender Souza
28.10.17 18h47 » Divanize Carbonieri
26.10.17 18h48 » Edra Moraes
24.10.17 20h45 » Linda Maria Baros
22.10.17 18h00 » Victor Heringer
20.10.17 17h00 » Tahar Ben Jelloun
18.10.17 19h00 » Jorge Tufic
16.10.17 18h23 » Carlito Azevedo
14.10.17 19h00 » Ana Paula Tavares

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet