Cisne Negro

 Sexta é dia de matinê, basta proclamar. Assistir um filme, se divertir, comer pipoca, enfim... No escurinho do cinema. Não é isso mesmo? Bom, respeito se concorda com essa combinação cinema e diversão. Eu, no entanto, busco algo mais. Emoção. Novidade, coisa que pire a minha cabeça. Tem filme que me dá um tapa na cara. Adoro essa metáfora.
Com a chegada de dois fortes candidatos ao Oscar nas salas da cidade, borá lá. “Cisne Negro”. A música de Tchaikovsky criada em 1877 para um balé dramático - O Lago dos Cisnes, belíssima, daquelas impossíveis de se esquecer, renasce nesta versão moderna, no cinema, valorizando uma história que já foi contada sei lá quantas vezes. Um estigma: a estréia do balé, em 1877 foi um fracasso, mas não por causa da música. Reza a lenda que a orquestra, bailarinos, cenografia e coreografia ficaram distantes da genialidade de Tchaikovsky. Acompanhar a cabeça de um artista desse porte não é coisa que se consegue a toda hora.


Ana Pavlova, prima dona 
Um desafio: coube ao diretor americano Darren Aronofsky fazer algo que honre a trajetória dessa história em torno de lagos e cisnes que tem um status mitológico. E ele conseguiu. Precisou da atuação estupenda de uma atriz que, talvez seja uma das artistas mais proeminentes deste século XXI, Natalie Portman. Tem gente apontando ela como barbada para o Oscar de Melhor Atriz.

Cenas...
Dois filmes de Aronofsky: “Réquiem para um Sonho” (2000) e “Pi” (1998), os únicos que assisti, me convenceram. Ele é um cineasta, no mínimo, promissor. Já Natalie Portman, conheço-a desde o primeiro: “O Profissional”, de Luc Besson. Ela tinha só 12 anos e arrasou.  Ela está bem no elenco de “V de Vingança”, “Beijo Roubado”, “Free Zone”, filmes acima da média, segundo a minha opinião.  
Olha, não é perfil aqui do blog avaliações com critérios técnicos ou mesmo resenhas mais convencionais. Vale mais recomendar e apostar no gosto dos leitores. E vale também a tentativa de compartilhar a emoção da arte, em seu estado sublimado. Gosto da definição de Paul Valéry para arte: a ciência do belo.


Pois bem, “Cisne Negro” narra a batalha de uma bailarina que tem a chance de representar duas personagens neste clássico da história da dança universal. A maneira que ela encontra para encarnar seus papéis parece se embebedar com a força dramática da história original. Impressionante. Ela aprende que não basta a perfeição da técnica para uma boa bailarina. “É preciso se deixar levar”.

A manteiga...
Pra encerrar, Maria Schineider, cisne negro, da década de 70,  subiu no telhado nesta semana.

Voltar  
1 Comentrio(s).
tá linda e fatal de unabomber do cerrado. ah, também já usei esse pagodinho. e por 48 horas. nas 24 iniciais a leitura dos dados não deu certo. quer dizer, serviu pra escrever um conto. boa sorte, bigode.
enviada por: fochesatto    Data: 22/10/2012 10:10:09

Confira também nesta seção:
09.08.22 14h40 » Seleção de frases
09.08.22 14h40 » O Capote*
06.08.22 15h44 » Ser ou não pobre*
02.08.22 21h00 » Criação literária*
02.08.22 21h00 » Alma*
28.07.22 09h11 » De cabeça pra baixo
26.07.22 21h22 » Uma pedra caiu no lago*
26.07.22 21h22 » A matança dos pretendentes*
18.07.22 18h00 » A messalina gaga*
18.07.22 18h00 » Adriana*
14.07.22 19h30 » Troco no Bar Moderno*
11.07.22 19h15 » “É doce morrer no mar”
05.07.22 17h08 » Yan Andréa Steiner*
05.07.22 17h04 » O coração de Alzira
27.06.22 20h27 » O retrato de Dorian Gray
27.06.22 20h23 » Doce recusa do olhar*
20.06.22 15h57 » O torresmo no contexto literário
20.06.22 15h57 » Procura-se um leitor
18.06.22 16h16 » O susto do meu pai*
18.06.22 09h58 » Chega de Saudade

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet