SELEÇÃO

Frases e pensamentos*



 

"Montaigne conheceu índios vindos do Brasil e os interrogou mediante um intérprete. O filósofo soube então que os índios estranharam a servil obediência dos franceses a uma criança (o rei Carlos IX, que os recebia). E não só: os mesmos "selvagens" indignaram-se ao ver homens maltrapilhos esmolando à porta de senhores opulentos "sem agarrarem os ricos pela garganta e atearem fogo às suas casas."

"O poeta é o doador de sentido."

"Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular ou vender."

"A poesia moderna foi compelida à estranheza e ao silêncio. Pior, foi condenada a tirar só de si a substância vital."

"O papel mais saliente da ideologia é o de cristalizar as divisões da sociedade, fazendo-as passar por naturais; depois, encobrir, pela escola e pela propaganda, o caráter opressivo das barreiras; por último, justificá-las sob nomes vinculantes como Progresso, Ordem, Nação, Desenvolvimento, Segurança, Planificação e até mesmo (por que não?) Revolução."

"A lucidez nunca matou a arte. Como boa negatividade, é discreta, não obstrui ditatorialmente o espaço das imagens e dos afetos."

"Obrigado! Palavra simples: dizemo-la a toda hora, sinal de reconhecimento do outro; gota de óleo quase imponderável na leveza da sua matéria, é, no entanto, preciosa no momento de amaciar a difícil engrenagem que são as relações humanas. Moeda corrente do cotidiano, traz, porém, no metal em que se fundiu o compromisso ético que lhe vem da ideia de obrigação. Dizê-la é também um dever."

 

*Seleção de frases reproduzidas do site https://www.pensador.com/

USP

bosi

Nascido em São Paulo (SP), Alfredo Bosi (1936 - 2021) foi um prestigiado crítico e historiador da literatura brasileira. Era professor emérito da USP e ingressou na Academia Brasileira de Letras em 2003. Seu conhecimento apurado de filósofos como Vico, Hegel, Croce, Lukács, suas análises críticas sobre arte, história e política o colocaram entre os intelectuais mais lúcidos do Brasil da segunda metade do século XX. Deixou, entre outras obras, "História concisa da literatura brasileira" (1970), "O ser e o tempo da poesia" (1977), "Céu, inferno" (1988), "Dialética da colonização" (1992), "Ideologia e contraideologia" (2010) e "Entre a literatura e a história" (2013)

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
26.07.21 19h00 » Pensamentos de uma autora aclamada
26.07.21 19h00 » Convite à poética de Santiago Villela Marques
19.07.21 17h22 » Bem pra lá de Araçatuba*
19.07.21 17h22 » Seleção de frases*
16.07.21 16h18 » À flor da pele
12.07.21 17h00 » Primeiro dia de aula*
12.07.21 17h00 » A armadilha*
05.07.21 19h08 » A matemática não falha*
05.07.21 19h07 » Embaçado na vista*
30.06.21 22h40 » 8.916.100.448.256 = 12¹² *
28.06.21 18h07 » Gestalt*
28.06.21 18h07 » O ato criador*
21.06.21 18h17 » O Eclipse*
21.06.21 18h17 » A ficção mágica de um sertanejo inquieto
14.06.21 18h50 » O Inominável (trecho inicial)
14.06.21 18h50 » Quando somente a arte parece simbolizar a liberdade*
14.06.21 13h47 » Ruptura
07.06.21 18h58 » A antiga dama*
07.06.21 18h58 » Seleção de frases*
31.05.21 18h57 » Governo*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet