PROSA

Testemunha tranquila*



O camarada chegou assim com ar suspeito, olhou pros lados e — como não parecia ter ninguém por perto — forçou a porta do apartamento e entrou. Eu estava parado olhando, para ver no que ia dar aquilo. Na verdade eu estava vendo nitidamente toda a cena e senti que o camarada era um mau-caráter.

E foi batata. Entrou no apartamento e olhou em volta. Penumbra total. Caminhou até o telefone e desligou com cuidado, na certa para que o aparelho não tocasse enquanto ele estivesse ali. Isto — pensei — é porque ele não quer que ninguém note a sua presença: logo, só pode ser um ladrão, ou coisa assim.

Mas não era. Se fosse ladrão estaria revistando as gavetas, mexendo em tudo, procurando coisas para levar. O cara — ao contrário — parecia morar perfeitamente no ambiente, pois mesmo na penumbra se orientou muito bem e andou desembaraçado até uma poltrona, onde sentou e ficou quieto:

— Pior que ladrão. Esse cara deve ser um assassino e está esperando alguém chegar para matar — eu tornei a pensar e me lembro (inclusive) que cheguei a suspirar aliviado por não conhecer o homem e — portanto — ser difícil que ele estivesse esperando por mim. Pensamento bobo, de resto, pois eu não tinha nada a ver com aquilo.

De repente ele se retesou na cadeira. Passos no corredor. Os passos, ou melhor, a pessoa que dava os passos, parou em frente à porta do apartamento. O detalhe era visível pela réstia de luz, que vinha por baixo da porta.

Som de chave na fechadura e a porta se abriu lentamente e logo a silhueta de uma mulher se desenhou contra a luz. Bonita ou feia? — pensei eu. Pois era uma graça, meus caros. Quando ela acendeu a luz da sala é que eu pude ver. Era boa às pampas. Quando viu o cara na poltrona ainda tentou recuar, mas ele avançou e fechou a porta com um pontapé… e eu ali olhando. Fechou a porta, caminhou em direção à bonitinha e pataco… tacou-lhe a primeira bolacha. Ela estremeceu nos alicerces e pimba… tacou outra. Os caros leitores perguntarão:— E você? Assistindo àquilo tudo sem tomar uma atitude?

— a pergunta é razoável. Eu tomei uma atitude, realmente. Desliguei a televisão, a imagem dos dois desapareceu e eu fui dormir.

 

*Texto reproduzido do site http://cronicasdaalma.com/

raulelgreco

stanislaw

Stanislaw Ponte Preta, também conhecido como Sérgio Porto (1923-1968), foi cronista, escritor, radialista, comentarista, teatrólogo, jornalista, humorista e compositor. Nasceu e morreu no Rio de Janeiro. Em 1951, criou seu personagem mais famoso, Stanislaw Ponte Preta, e, sob esse heterônimo, escreveu para jornais como Diário Carioca e Última Hora, fazendo grande sucesso. Entre 1964 e 1968, publicou os livros Festival de Besteiras que Assola o País: "Febeapá 1", "Febeapá 2" e "Febeapá 3". As três obras reúnem crônicas que trazem engajamento, crítica social e defesa da democracia, em tom bem humorado

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
16.05.22 16h34 » Estigmas e sintagmas
16.05.22 15h25 » A mariposa*
09.05.22 17h26 » O Filósofo Platão*
09.05.22 17h26 » O Palhaço*
02.05.22 14h33 » Calor*
02.05.22 14h33 » Coisas estranhas*
25.04.22 17h42 » Ela*
25.04.22 17h42 » LINHA DE CHEGADA
19.04.22 10h17 » Grande liderança brasileira
22.03.22 19h35 » A lebre dourada*
22.03.22 19h35 » As margens da alegria*
14.03.22 18h32 » Citações de uma grande filósofa
14.03.22 18h32 » A guerra, segundo13 homens influentes
12.03.22 17h22 » Sacode a poeira!
07.03.22 17h14 » Força centrípeta
28.02.22 17h20 » Antes do Baile Verde*
28.02.22 17h20 » A Bagaceira*
21.02.22 18h00 » País sem binóculos*
21.02.22 18h00 » Seleção de frases*
18.02.22 17h30 » É você!

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet