CITAÇÕES

Uma autora libertária*



“O erotismo é uma das bases do conhecimento de nós próprios, tão indispensável como a poesia.”

“O inimigo de um amor nunca vem de fora, não é homem ou mulher, é o que falta em nós mesmos.”

“Era noite e fiz um movimento descuidado dentro do sonho; virei bruscamente demais a esquina e choquei contra a minha loucura.”

“Você tem o direito de experimentar com sua vida. Você vai cometer erros. E eles estão certos também.”

“Eu quero fazer minhas próprias descobertas, penetrar o mal que me atrai.”

“A vida. Incêndio. Ser eu mesma em chamas. Eu definir os outros no fogo.”

“A vida se expande ou se encolhe de acordo com a nossa coragem.”

“A única anormalidade é a incapacidade de amar.”

“Ajusto-me a mim, não ao mundo.”

“Pessoas vivendo intensamente não têm medo da morte.”

“Eu escolho um homem que não duvide de minha coragem, que não me acredite inocente, que tenha a coragem de me tratar como uma mulher.”

“Eu não soube suportar a passagem das coisas. Tudo o que flui, tudo o que passa, tudo o que mexe sufoca e enche-me de angústia.”

“E chegou o dia em que o risco de continuar espremido dentro do botão era mais doloroso que o de desabrochar.”

“A origem da mentira está na imagem idealizada que temos de nós próprios e que desejamos impor aos outros.”

“Escrever deve ser uma necessidade, como o mar precisa das tempestades - é a isto que eu chamo respirar.”


*Frases reproduzidas do site https://www.frasesfamosas.com.br/

reprodução

anais

Anaïs Nin (1903 - 1977) era filha de um músico e de uma dançarina, ambos nascidos em Cuba. Ela nasceu nos arredores de Paris e faleceu em Los Angeles. Teve uma vida cosmopolita e, filha de artistas, desde pequena iniciou-se nas artes. Apesar da origem francesa, toda a obra que deixou, foi escrita em inglês. Escreveu romances, livros de conto e um diário que se tornou famoso, abrangendo seis décadas da sua vida. Além de precursora das idéias libertárias sobre a mulher e sobre o sexo, Anaïs Nin foi amiga de inúmeros escritores, entre os quais D. H. Lawrence, André Breton, Antonin Artaud, Paul Éluard e Jean Cocteau, além de Henry Miller, com quem teve uma relação amorosa. Deixou um notável legado literário, mas a sua vida foi especialmente incrível. Os seus romances e narrativas, impregnados de conteúdo erótico foram profundamente influenciados pela obra de James Joyce e a psicanálise. "Henry e June" (1990), filme de Philip Kaufman, é uma boa opção para conhecer um pedaço da vida dessa grande mulher

 

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
05.07.22 17h08 » Yan Andréa Steiner*
05.07.22 17h04 » O coração de Alzira
27.06.22 20h27 » O retrato de Dorian Gray
27.06.22 20h23 » Doce recusa do olhar*
20.06.22 15h57 » O torresmo no contexto literário
20.06.22 15h57 » Procura-se um leitor
18.06.22 16h16 » O susto do meu pai*
18.06.22 09h58 » Chega de Saudade
13.06.22 18h08 » Noturno do Chile (excerto)
13.06.22 18h08 » Amor imorredouro*
06.06.22 14h00 » A dança do jaguar*
06.06.22 14h00 » Cruzeiro*
03.06.22 19h54 » Fazer o que desejamos*
02.06.22 20h00 » "A marola e a borboleta"
30.05.22 14h15 » O homem do país que não existe (trecho)*
30.05.22 14h15 » Bondade com peixinhos*
23.05.22 17h29 » O ex-mágico da Taberna Minhota*
23.05.22 17h28 » Grande dramaturgo clássico da França*
16.05.22 16h34 » Estigmas e sintagmas
16.05.22 15h25 » A mariposa*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet