Segunda, 21 de fevereiro de 2022, 18h00
VERSO
Arthur Santos


Chama-se livro meu filho*

 

chama-se livro meu filho
não é nenhum trocadilho
pega nele com cuidado
está sempre ligado
tem jogos histórias
e infinitas memórias
chama-se livro meu filho.

tem contraste e brilho
que não te cansam os olhos
tem letras e palavras aos molhos
e até tem pessoas e animais
de fazer inveja aos teus pais
chama-se livro meu filho.

a capa é como um caixilho
abres e não precisas instalar
é só as páginas passar
para continuares a jogar
sem necessidade de clicar
chama-se livro meu filho.

e rejubila de alegria
não gasta bateria
não encrava nem te pede visa
e de password não precisa
chama-se livro meu filho.

 

*Poema enviado pelo autor ao tyrannus. Link para visitar seu endereço cotidiano de poesia https://www.facebook.com/arthur.santos.167/

arthur santos

Arthur Santos nasceu em Moscavide, uma vila colada à cidade de Lisboa, em 1951. É engenheiro químico, técnico de segurança e saúde no trabalho. Escreve e diz poesia por influência de seu pai desde os 11 anos de idade. Publicou 22 livros de poesia, entre os quais, "Poemas pintados com palavras", "69 considerações simples sobre coisas simples", "Diga 33", "Operação especial MMPMEM (Matar os Meus Poetas Mesmo que já Estejam Mortos)" e "Ditadura versus cultura ou as Brasilianíadas em 40 cantos". Está presente em 9 Antologias, entre elas, "1ª Antologia poética da Academia Brasileira de letras (2004). Organiza encontros poéticos e tertúlias de poesia. Tem, diariamente, um Directo de Poesia no Facebook, no endereço: https://www.facebook.com/arthur.santos.167/.. Fotografia creditada para Edinha Santos.

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://www.tyrannusmelancholicus.com.br/