Segunda, 14 de março de 2022, 18h32
VERSO
Lua Lacerda


meia-noite*

 

no céu do sertão
todas as estrelas
estão vivas agora

no chão seco
flores de primavera
são andróginas

no breu
a mata me espia
trocar de pele
a caatinga guarda
seus segredos
e me seduz

cometas estranham
galáxias escuras:
todas as estrelas
estão na terra

seres humanos
não são mulheres
mas corpos celestes
formando constelações

 

*Poema reproduzido da revista Cândido, da Biblioteca Pública do Paraná - https://www.bpp.pr.gov.br/Candido

 

divulgação

lua

Lua Lacerda nasceu em Cajazeiras (PB) e vive em João Pessoa, onde cursa (ou já se formou) em Jornalismo na UFPB, com foco em estudos culturais, análise e teoria crítica. Seu primeiro livro de poesia, "redemunho", foi publicado em 2020 pela Editora UFPB. Seus poemas têm sido publicados em diferentes endereços virtuais

 

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://www.tyrannusmelancholicus.com.br/