Segunda, 09 de maio de 2022, 16h47
GUAPO
O livro é uma autobiografia do artista

Redação*

guapo

Guapo é cacerense e possui a veia musical dos dois lados da família, já que seu avô materno era cururueiro, e sua avó paterna era pianista

O músico, compositor e Mestre da Cultura Popular mato-grossense, Milton Pereira de Pinho, conhecido artisticamente como Guapo, lança sua autobiografia, escrita durante a pandemia causada pela covid-19, intitulada: "Fragmentos no Remanso", onde conta pequenos flashes de sua vida, suas fases e todas as pessoas envolvidas. O evento acontece na sexta-feira (13), no Cine Teatro Cuiabá, a partir das 19h e contará com a presença dos cantores Pescuma e Henrique Maluf abrilhantando a noite.

Por se denominar um dossiê muito denso, Guapo decidiu que somente ele poderia escrever sua biografia, com o intuito de não ser apenas mais um artista esquecido. “Para eu não virar um resto de rasqueado desfeito no ar, ou uma reticência, que também desapareceu, eu resolvi escrever o livro Fragmentos no Remanso, que foi uma iniciativa tomada logo após eu ter composto a música Marcas do Tempo Presente, a primeira música reflexiva que eu fiz na minha vida”, declara.

Segundo ele, ali não está toda sua vida, mas apenas uma espécie de currículo, escrito aleatoriamente, que levou cerca de pouco mais de 1 ano para ser finalizado. “Eu me mudei para Santa Catarina e trabalhando lá, consegui juntar o dinheiro para publicar o livro. Então, esse livro nada mais é do que reminiscência da vida, das coisas que fiz, por onde eu andei, com quem eu tive contato maior, de pessoas de artistas: principalmente com Manoel de Barros, Luiz Melodia, na Bolívia; com os mineiros e nos Estados Unidos, quando fomos representar Mato Grosso na Quinzena Cultural organizada pela Secretaria de Estado de Cultura”, explica.

Cacerense, filho de professor de matemática, física e química, fluente em 5 idiomas e de mãe ribeirinha, Guapo possui a veia musical dos dois lados da família, já que seu avô materno, Zacarias de Lima, era cururueiro e sua avó paterna era pianista. Seguindo a linhagem, ele tem 5 CDs gravados, sendo 2 de músicas cantadas e 3 de músicas instrumentais. Desses, 2 são com a Orquestra Sinfônica de Mato Grosso e 1 sobre o projeto Rua do Rasqueado, que homenageia as músicas dos grandes mestres póstumos. Ideia mais tarde seguida pelo maestro Leandro Carvalho.

O artista faz questão de observar que antes de gravar a música Marcas do Tempo Presente suas obras eram todas voltadas para o nativismo e vanguarda nativista. “Essa coisa bonita que nós criamos nesses 40 anos, e que hoje deu fruto em todos os setores: teatro, artes, plásticas, música, poesia e outros cantos. E último grito mais forte foi dado pela Orquestra de Mato Grosso, quando gravou o rasqueado cuiabano, coisa que nenhuma orquestra tinha feito antes. Outro exemplo é o processo de produção da Flor Ribeirinha, que acreditou na vanguarda nativista e fez o que ela fez no mundo”, finaliza ele. (*com assessoria)

 

SERVIÇO

O QUE: Lançamento do livro "Fragmentos no Remanso", de Guapo
QUANDO: 13 de maio (sexta-feira), a partir das 19h
ONDE: Cine Teatro Cuiabá
MAIS INFORMAÇÕES: (65) 99963-5869


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://www.tyrannusmelancholicus.com.br/