Manoel de Barros




O azul me descortina para o dia.
Durmo na beira da cor.
Vejo um ovo de anu atrás do outono.
........................................................
(Eu tenho amanhecimentos precoces?)
........................................................
Cresce destroço em minhas aparências.
Nesse destroço finco uma açucena.
(É um cágado que empurra estas distâncias?)
A chuva se engalana em arco-íris.
Não sei mais calcular a cor das horas.
As coisas me ampliaram para menos.

Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://www.tyrannusmelancholicus.com.br/