Segunda, 10 de dezembro de 2012, 19h00
Florbela Espanca


Vaidade


Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho...
                                       E não sou nada!...


Florbela Espanca, poeta portuguesa (1894-1930)

Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: https://www.tyrannusmelancholicus.com.br/