CULTURA POPULAR

Projeto é uma iniciativa do Instituto Inca



emanoele daiane

quintais

Estagiárias do projeto no quintal da Flor Ribeirinha

O projeto “Quintais da Cultura Popular Cuiabana”, realizado pelo Instituto INCA - Inclusão, Cidadania e Ação, encerrou há poucos dias a primeira etapa do trabalho, de visita, inventário e diagnóstico, na tradicional e festiva casa de “Bem Bem”. Agora parte para as lives com as comunidades e lideranças comunitárias, em parceria com a Secretaria Adjunta de Relações Comunitárias (Sarc) da prefeitura Municipal de Cuiabá, até o mês de outubro, quando deve acontecer o Fórum de Políticas Públicas com as entidades governamentais e organizações sociais.

O Instituto Inca, noutras palavras, está fazendo uma imersão no mundo mágico dos quintais de Cuiabá, com a prática de saberes, ofícios e celebrações da cultura popular de “tchapa e cruz”, seja com a religiosidade, atividade recreativa ou socioeconômica.

“Nós estamos sinalizando e demonstrando a necessidade da criação de políticas públicas, para preservar e fortalecer a rede dos quintais, para que eles tenham ações que promovam a manutenção e auto sustentabilidade. A proposta também é de divulgar e reconhece-los como território criativo, além de reativar quintais sem atividade e estimular a participação da comunidade, sobretudo os mais jovens, realizando ações de formação e engajamento”, diz a presidente do Instituto Inca, Cybele Bussiki.

A definição do projeto para o quintal da cultura popular está pautada em um “ambiente de sociabilidade festiva que guarda a memória de manifestações culturais tradicionais e práticas religiosas que são transmitidas de geração para geração, agindo também como um espaço de renovação espiritual e afetiva e trocas de saberes".

O projeto começou pelo quintal da ceramista dona Julia Rodrigues, no dia 24 de abril, em São Gonçalo Beira Rio. 

E porque iniciar a pesquisa em um quintal de cerâmica? O objetivo é registrar a ampla variedade de saberes, ofícios e celebrações que existem nos quintais cuiabanos, não apenas centradas nas práticas e saberes do Cururu e Siriri, muito embora guardem uma estreita relação.

O projeto está utilizando como base o conceito de lugar, definido pelo Manual do Inventário Nacional de Referências Culturais (INRC) e elaborado pelo Instituto Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Segundo esse documento, a definição de lugar se refere a: espaços apropriados por práticas e atividades de naturezas variadas (exemplo: trabalho, comércio, lazer, religião, política, etc.), tanto cotidianas quanto excepcionais, tanto vernáculas quanto oficiais.

As visitas foram realizadas aos sábados, por uma equipe de professores, pesquisadores, com o auxílio de estagiários contratados apenas para este projeto.

emanoele daiane

quintais

Quintal do Voa Tuiuiú

AS VISITAS

São sete meses de trabalho para a manutenção e resgate das raízes e tradições dos quintais cuiabanos, e das pessoas que os tornam vivos e deve encerrar no dia 16 de outubro, com um Fórum. 

Deste processo já foram quatro meses e as visitas começaram por São Gonçalo Beira Rio, em dois quintais vizinhos: das ceramistas dona Julia Rodrigues e de sua irmã Cleide Rodrigues.

O segundo foi o espaço que desenvolve o Siriri, pelo grupo “Voa Tuiuiú”, no bairro Itapajé. Os valores transmitidos às crianças é o maior incentivo para manter o grupo vivo, que já tem 13 anos de tradição em devoção ao Santo Expedito, com o levantamento do mastro, Reza Cantada, jantar, bailão, com muito lambadão e rasqueado. Além do café da manhã, tudo com fartura em três dias de festejo, com a comida sempre de graça, seguindo a tradição de humildade, solidariedade e amor. Por lá o sistema é de coletividade e voluntariado.  

O terceiro quintal foi do grupo Flor Serrana, de Siriri, Cururu e Reza Cantada, localizado em Aricazinho, na Zona Rural de Cuiabá. Moradia da Dona Helena Maria de Oliveira Nascimento, com a presença de Armindo Reis, ou seo Nezinho, presidente do Grupo Flor Serrana, com 45 anos de idade é dançarino do Siriri desde os 10 anos. Além de Alexandre Oliveira, cururueiro, mestre artesão da viola de cocho, ganzá e mocho, e capelão que tira Reza Cantada, junto com dona Fia, Luibertina Oliveira, vocalista do Flor Serrana, capeloa e dançarina de Siriri.

Uma tarde única, com um estudo profundo das raízes daquele grupo organizado e apaixonado, que reserva a cultura popular cuiabana há mais de 50 anos, na chácara Antônio Maria, próximo ao Pedra 90.

O quarto quintal, do Grupo de Siriri Flor do Atalaia, contou com a presença do secretário de Estado de Cultura, Beto Machado, e do adjunto Jan Moura, no bairro Parque Atalaia. Grupo predominantemente de mulheres, onde uma delas toca a viola de cocho.

A jornada do quinto quintal foi na famosa dona Domingas, onde funciona um Ponto de Cultura e o Grupo Flor Ribeirinha. Lá percebeu-se que a tradição é muito forte e repassada aos jovens e às crianças, que são fascinadas e amam dançar o Siriri.

O quintal de Tradição Coração Franciscano foi o sexto visitado. Ele apresenta uma série de saberes e fazeres, dedicados às práticas devocionais, às festas, danças, músicas, artes plásticas, de uma Cuiabá da região do Coxipó, gerador de sociabilidade, no bairro São Francisco, o mais antigo da região, com uma história de 83 anos. 

Também teve quintal que preserva a cultura das matrizes africanas, sendo o sétimo visitado, na Associação Religiosa e Cultural Afro Brasileira, espaço ILÉ À?? EGBE KÉTU ?M? ÒRÌSÀ OD?, do babalawô ifálanã George Barajak, no bairro CPA 3, região Norte da cidade. 

emanoele daiane

quintais

Quintal da Flor Serrana

VONTADE, FORÇA, TALENTO E AMOR

A oitava visita aconteceu no “Quintal Flor do Campo” que é rico em potencial artístico! Localizado no bairro Parque Ohara, atualmente ele é a estrela do “novo” Beco do Candeeiro, nos encontros culturais que acontecem toda quinta e sexta-feira.

Por lá, a anfitriã é a Matilde da Silva, que comanda com maestria a Associação Flor do Campo, um grupo familiar, composto por 12 pares para o Siriri, cinco tocadores homens e cinco backing vocal, todas mulheres, que aproximadamente 40 anos dançam, cantam e tocam, com a batida da saia, o gingado do corpo e o pisado tradicional apoteótico! A identidade do Flor do Campo está pautada na dança, com fé e devoção a São Sebastião.

Vontade, força, talento e amor é o que os cururueiros da Associação do Grupo Cururu Tradição Cuiabana do Coxipó tem de sobra! Ele foi o nono quintal visitado e por lá é perceptível a grande saudade de cantar e aquecer a garganta com o amargo (bebida destilada com raízes), de tocar e se jogar em uma função (roda em que os curureiros se desafiam em coreografia em frente ao altar do santo). Exala nas batidas dos sapatos lustrados, na alegria e força do gingado, no canto afinado e na beleza do tocado da viola de cocho e do ganzá!

O grupo congrega uma média de 40 curureiros no quintal do senhor Marcelino de Jesus, presidente da Associação que atende mestres da região do Coxipó e alguns de Várzea Grande.

Neste quintal, localizado no bairro São Francisco, aconteciam as festas de São Gonçalo, São Benedito e São Sebastião, tradicionais no mês de agosto. E nele vivem 11 famílias, entre filhos, sobrinhos e demais familiares de seo Marcelino, que carrega na alma o Cururu.

As visitas do projeto “Quintais da Cultura Popular Cuiabana” encerraram com a histórica casa de Bem Bem, que está passando por restauração, com um processo peculiar, do adobe e material da época. Nela foi feita uma visita guiada pelo restaurador Adão Rodrigues, e contou com a presença da secretária Carlina Rabello e do adjunto Lioniê Astrevo.

emanoele daiane

quintais

Quintal da ceramista Dona Júlia Rodrigues

O RESULTADO

Além do levantamento de dados, catalogação, inventário patrimonial e diagnóstico de cultura nesses lugares, por meio de questionário e registro de foto e vídeo, o projeto “Quintais da Cultura Popular Cuiabana”, visa produzir um e-book e realizar um Fórum com líderes desses espaços, com palestras sobre Patrimônio Cultural e Economia Criativa e propor políticas públicas para o setor aos governos Municipal e Estadual.

“Esses dados estão demonstrando a extrema vulnerabilidade que as pessoas vivem, em que os jovens se encontram, e o quanto esse espaço, que é o quintal, concentra diversas frentes de trabalho que a sociedade necessita. O quintal em si é um espaço de promoção de igualdade, de mediação de conflitos, de cuidados, de trabalho mútuo”, define a antropóloga e produtora executiva do projeto, Poliana Queiroz.

O projeto é uma realização do Instituto INCA, patrocinado pelo Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), via emenda parlamentar do deputado estadual Dilmar Dal Bosco, no valor de R$ 400 mil, com o apoio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) e Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), e parceria do grupo Caleidoscópio da UFMT.   (*da assessoria)

 


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet