Marilza Ribeiro

Quem pôde apanhar
os pedaços
do silêncio ai espalhados
pelo espaço
ou como retalhos de fogo
que estalam
em cor e agonia?
Além das borboletas
descobri as palavras
E os signos
tecidos de gestos e sons
mais as cores
e os panoramas
rugiam
Quem indaga?
Quem decifra?
Será que ainda teremos de beber
lentamente
o leite



Marilza Ribeiro, poeta de Mato Grosso

Voltar  

Confira também nesta seção:
16.05.22 17h30 » Renée Ferrer
09.05.22 17h26 » Pedro Vale
02.05.22 14h33 » Jessica Stori
25.04.22 17h43 » Bianca Barbosa
19.04.22 08h00 » Erro de português
19.04.22 00h10 » Kiara Baco Anhôn
08.04.22 16h41 » Cuiabanália
22.03.22 19h36 » Emilio Villa
14.03.22 18h32 » Lua Lacerda
07.03.22 17h14 » Eliete Borges
07.03.22 17h14 » Instruções de bordo*
28.02.22 17h20 » Naomi Shihab Nye
21.02.22 18h00 » Arthur Santos
14.02.22 18h00 » Zeh Gustavo
07.02.22 20h55 » Clarissa Macedo
31.01.22 19h37 » Boécio
24.01.22 18h48 » Al Berto
17.01.22 20h11 » Betty Chiz
10.01.22 20h00 » Amarildo Anzolin
28.12.21 20h18 » Ferreira Gullar

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet