Nuno Ramos

Cachorro morto num saco de lixo
areia, sargaço, cacos de vidro
mar dos afogados, mar também dos vivos
escuta teu murmúrio no que eu digo.

Nunca houve outro sal, e nunca um dia
matou o seu poente, nem a pedra
feita de outra pedra, partiu o mar ao meio.
Assim é a matéria, tem seu frio

e nunca vi um animal mais feio
nem pude ouvir o seu latido.
Por isso durmo e não pergunto
junto aos juncos.



Nuno Ramos, poeta brasileiro

Voltar  

Confira também nesta seção:
18.10.21 22h24 » Nigar Arif
11.10.21 19h00 » Franklin Cassiano
04.10.21 18h32 » Agustín García Calvo
27.09.21 17h47 » Eunice de Souza
20.09.21 16h08 » Marina Taborelli e Silva
13.09.21 16h54 » Lourembergue Alves
06.09.21 17h58 » Alberto Pucheu
30.08.21 19h00 » Isabela Vannucchi
16.08.21 21h00 » Ana Guillot
09.08.21 17h00 » José Danilo Rangel
02.08.21 17h40 » Ademar Adams
26.07.21 19h00 » Beth Brait Alvim
19.07.21 17h22 » Jennifer Trajano
12.07.21 17h00 » Carminha Ferreira
05.07.21 19h08 » María Ángeles Pérez López
28.06.21 18h07 » António Poppe
21.06.21 18h17 » Ana Miranda
14.06.21 18h50 » Nicolas Santos
07.06.21 18h58 » José Pinto
31.05.21 18h58 » Kátia Borges

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet