Paul Valéry

Colóquio

Baritono
Como uma rosa agonizante
cujo tédio apoia-se em nós;
você não é diferente
em seu macio silêncio
como desta flor agonizante:
Ela fenece por nós...

Tu parece ser semlhante a mim
Para que tem orelhas para ouvir
que estava em meus joelhos,
para uma que só tem orelhas
e nunca me escuta!

Você parece semelhante a mim
Para o outro que eu gostei:
mais no passado
Sua boca era minha boca.

Soprano:
Que me compare a alguma rosa alguma enfraquecida?
O amor que não tem virtude esfria-se espontaneamente.

Meu olhar nos seus
Só me encontrando neles
Vejo-me totalmente nua!

Meus olhos o apagarão
suas lágrimas que serão
lembranças da memória.

Seu desejo nasce e morre em meu colo
E em meus lábios cheios o levarão a minha boca.


Paul Valéry, poeta francês (1871-1945)

Voltar  

Confira também nesta seção:
05.07.22 17h09 » Touro Sentado
27.06.22 20h28 » Gal Freire
20.06.22 15h58 » Michaela Schmaedel
13.06.22 18h08 » Sarah Valle
06.06.22 14h00 » Hu Xudong
30.05.22 14h15 » Carlos "Gato" Martínez
23.05.22 17h29 » Luis Dolhnikoff
16.05.22 17h30 » Renée Ferrer
09.05.22 17h26 » Pedro Vale
02.05.22 14h33 » Jessica Stori
25.04.22 17h43 » Bianca Barbosa
19.04.22 08h00 » Erro de português
19.04.22 00h10 » Kiara Baco Anhôn
08.04.22 16h41 » Cuiabanália
22.03.22 19h36 » Emilio Villa
14.03.22 18h32 » Lua Lacerda
07.03.22 17h14 » Eliete Borges
07.03.22 17h14 » Instruções de bordo*
28.02.22 17h20 » Naomi Shihab Nye
21.02.22 18h00 » Arthur Santos

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet